Atleta do projeto social A Escola Vai ao Batalhão de Choque intensifica preparação para o Mundial Escolar de Combate Games

A pouco menos de um mês para a disputa do Mundial Escolar de Combate Games 2019, entre os dias 16 e 21 de junho, na cidade de Budapeste, na Hungria, o atleta Mateus Freire, 15 anos, segue rotina intensa de treinos na Academia de Musculação do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap) da Polícia Militar.

O garoto faz parte do Projeto Social A Escola Vai ao Batalhão de Choque e conquistou vaga na competição internacional ao sagrar-se campeão brasileiro escolar na modalidade luta olímpica (wrestling), em abril deste ano, no Distrito Federal.

Para o jovem atleta do Bairro América, a oportunidade de representar o Brasil em uma competição mundial na Europa significa a concretização de um sonho, viabilizado pelo Projeto. “O projeto se tornou a minha vida e agradeço a todos que me ajudam, principalmente ao professor Élvio e ao cabo Santos Júnior, que estão comigo praticamente todos os dias dessa reta final”, afirmou Mateus.

Promovido pela Federação Internacional do Desporto Escolar (ISF), o campeonato terá representação de jovens atletas de várias partes do mundo.

Preparação

A preparação está na reta final e o cabo Santos Júnior, instrutor da academia de musculação do Cfap, desenvolveu treinos específicos para ganho de força e aumento de massa muscular, para que Mateus alcance a sua melhor performance no mundial, onde ele enfrentará duros combates. “É muito gratificante imaginar que a minha contribuição pode mudar a realidade social do garoto e da sua família,” destacou o prepador físico.

Além das seções na academia, o lutador conta com os treinamentos técnicos do cabo e sensei Élvio, bem como a orientação tática voluntária do instrutor de lutas Luciano Vieira.

Durante os treinamentos físicos, Mateus conta com a companhia das amigas, Maria de Fátima e Ana Clara de 16 anos, que também são alunas do projeto e se preparam para disputar os Jogos Escolares da TV Sergipe, que serve como seletiva para os jogos escolares nacionais.

O projeto social

A atividade de cunho social, idealizada pelo sensei e cabo Élvio Marcelo Lisboa Santos, proporciona a prática gratuita do Judô a uma centena de garotos em situação de vulnerabilidade social, com o apoio do Sesi.

Em sete anos de existência do projeto “A Escola vai ao Batalhão de Choque”, mais de mil e trezentas famílias já foram atendidas. Atualmente, 180 crianças estão participando das atividades sócio esportivas.

Ajustar tamanho da fonte
Contraste