Governo de Sergipe assumirá gestão do Hospital da Polícia Militar

A proposta do governo de Sergipe, através da SES, é ampliar consideravelmente os atendimentos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), que em vez de cinco, passará a dispor de dez leitos, sem qualquer custo adicional de pessoal

Retomadas as tratativas sobre a administração do Hospital da Polícia Militar (HPM) Lourival Batista, o governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), estará à frente da gestão hospitalar da unidade. Novo diálogo sobre a questão foi estabelecido em reunião realizada na última segunda-feira (02) no Centro Administrativo da Saúde, localizado no bairro Ponto Novo, em Aracaju. Estiveram presentes na reunião, o comandante do Corpo de Bombeiros de Sergipe, coronel Erivaldo Mendes; o diretor de Saúde do HPM, George Araújo; o subcomandante da PM-SE, coronel Paiva; além do deputado estadual Capitão Samuel.

Segundo o secretário de Estado da Saúde, Almeida Lima, as resoluções estão sendo levadas nesta terça-feira (03) à Procuradoria Geral do Estado para que, juridicamente, seja formatado esse entendimento. A SES, ao assumir a gestão hospitalar, terá da parte da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros a responsabilidade plena sobre toda a parte ambulatorial do HPM, onde lá continuarão a exercer suas atividades nessa área da saúde, juntamente com serviços de perícias.

“Há algum tempo vínhamos tratando do assunto. Enquanto secretaria, o discurso mantido é que estávamos abertos para o diálogo, concretizado nesta reunião”, declarou Almeida Lima.

Ajustados todos os trâmites, o funcionamento do HPM será retomado a fim de que serviços de saúde sejam mais amplamente oferecidos à população. A proposta do governo de Sergipe, através da SES, é ampliar consideravelmente os atendimentos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), que em vez de cinco, passará a dispor de dez leitos, sem qualquer custo adicional de pessoal, visto que a equipe de profissionais da saúde possui capacidade operacional para exatamente dez leitos, ou seja, os profissionais que administram cinco leitos de UTI são os mesmos a estarem aptos a administrar dez leitos.

“A retomada do mais amplo funcionamento do HPM será, sem dúvidas, um benefício grandioso para a SES e para a própria unidade, que voltará a servir de retaguarda para o Hospital de Urgência de Sergipe [Huse], não apenas na área de terapia intensiva, mas em relação às cirurgias ortopédicas e geral”, acrescentou o secretário de Estado da Saúde.

Resolução

De acordo com o deputado estadual Capitão Samuel, a busca por uma solução destinada ao HPM perdurou por dois anos. “O cenário era de 60 leitos sem funcionamento. Conversando com os atores aqui presentes, bem como com o secretário de Segurança Pública de Sergipe, houve esse entendimento, que traz benefícios efetivos para a sociedade sergipana. Teremos um hospital aberto para a realização de até 300 cirurgias por mês. Os policiais, militares ou civis, além de bombeiros, ganharão também uma unidade de retaguarda, caso necessite de atendimentos em saúde. O secretário Almeida Lima, de prontidão, esteve aberto à proposta”, ressaltou.

Já o subcomandante da PM-SE, o coronel Paiva caracterizou a reunião como proveitosa. “Descobrimos muitos pontos de consenso, sendo o mais importante o que implica em a SES e a SSP-SE, através da PM, Corpo de Bombeiros e HPM, estar trabalhando para que a população disponha plenamente da unidade. Com os esforços de todas as partes, serão disponibilizados leitos de UTI e mantendo o atendimento ambulatorial, ou seja, a policlínica dos militares, que terá leitos preferenciais, especialmente para os feridos em serviço”, pontuou Capitão Samuel.

O comandante do Corpo de Bombeiros de Sergipe, Erivaldo Mendes, ressalta que a PM-SE gerenciará a policlínica que atenderá os interesses da corporação, tanto dos policiais quanto dos bombeiros. “Essa policlínica atenderá até mesmo as demandas do ponto de vista jurídico, de junta médica e atendimentos ambulatoriais para policiais e familiares. A SES, por sua vez, estará usando a estrutura hospitalar que já existe no HPM para melhor servir à sociedade através de UTI ativada e centro cirúrgico, com objetivo de ampliar a assistência e suprir demandas nessa área”, destacou Mendes.

ASN

4 de abril de 2018|HPM|