Oficial segue para a reserva remunerada e deixa carta de gratidão à PMSE

“A gratidão é a virtude das almas nobres”. A frase do escritor grego Esopo resume o momento vivido pelo capitão Luiz Eduardo Figueiredo Souza, que completou 30 anos de Corporação na sexta-feira, 16. O militar está indo para a reserva remunerada e decidiu selar a sua história na Polícia Militar do Estado de Sergipe com uma carta cheia de vida e recheada de boas lembranças e gratidão aos colegas de farda, à família e a Deus. Ao capitão Figueiredo, profissional comunicativo e de sorriso largo, desejamos felicidades e saúde! Confira abaixo o texto produzido pelo oficial.

OBRIGADO, PMSE!

Luiz Eduardo Figueiredo Souza – Cap QOAPM

Inicialmente, agradeço a Deus pelas maravilhas realizadas em minha vida pessoal, profissional e familiar, permitindo-me chegar até aqui. Em dia 16 de março de 1988, eu ingressava nas fileiras da Polícia Militar de Sergipe, no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças – CFAP, com o nº de matrícula 069. Completaria 23 anos de idade no mês seguinte.

Servir à PMSE nunca fez parte dos meus sonhos, tampouco me imaginei nela tanto tempo. Contudo, alguém lá do alto tinha outros planos. Tudo começou graças a várias orientações do meu querido pai, que por três vezes me incentivou a entrar na carreira policial militar. Na terceira, por um providencial conselho de minha amada mãe, me alertando para a data de incorporação no Curso de Formação de Sargentos, iniciei-me na vida militar.

Gastei alguns pares de coturnos entre 16 de março de 1988 e 2018, e após três décadas, guardo no peito a alegria, a gratidão pelo privilégio de trabalhar em uma instituição tão grandiosa, honrada, respeitada, referência nacional e orgulho do povo sergipano. No caminho, passei por 20 Unidades e Subunidades diferentes: PM/3, CPRp (hoje Batalhão), Guarda do QCG, Ajudância-Geral (AG/2), 1º BPM (auxiliar do comando), CPGd (Presídio de Areia Branca), 1º BPM de novo (3ª Cia), PCSv CFAP, 2º BPM, 4º BPM (2ª e 3ª Cias), CPMI, CPMC, CPTran, CPRv (também elevado a Batalhão), 8º BPM, 10º BPM, 11º BPM, CIOSP, Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos em Fortaleza… por fim, com muito orgulho, encerro minha carreira onde tudo começou: no CFAP, chefiando a Divisão Administrativa. O grande arquiteto do universo me permitiu conviver com profissionais de luz própria, inteligentes intelectual e emocionalmente, de soldados a coronéis. Ah, como eu aprendi com eles! Excelentes amizades, grandes amigos que levarei para sempre, que nunca serão apagados de minha memória.

Trinta anos se passaram com tanta leveza, que sinto a mesma força, o mesmo vigor que tinha ao final dos anos 80. Posso afirmar que tenho “gás” para mais um pouco, uma vez que aprendi a fazer de minhas tarefas uma terapia, do ambiente de trabalho uma segunda casa. A vida se tornou mais saudável, quando entendi isto, assim como percebemos que tudo nela tem princípio, meio e fim. Agora, este fim me alcançou, encerrando a fase de policial militar da ativa. Boas lembranças ficarão guardadas no peito e na mente, sem tristezas ou dissabores que, se existiram, foram apagados pelo tempo.

Não posso deixar de registrar neste momento a oportunidade que tive ao conhecer e trabalhar com comandantes do mais alto gabarito, pessoas preparadas para exercer a liderança, levadas pela força do exemplo, pelos comportamentos notáveis e pela retidão na vida profissional e pessoal. Minha caminhada foi marcada por algumas datas que me são caras, como o ingresso na PMSE como aluno do Curso de Sargentos em março de 1988, a primeira promoção a 3º Sgt Sargento em 27 de agosto de 1988, 2º Sgt em 28 de abril de 1995, 1º Sgt em 21 de agosto de 1999, 2º Tenente em 21 de agosto de 2005, 1º Tenente em 21 de Agosto de 2010, Capitão em 21 de agosto de 2014 e por fim serei promovido a Major em 21 de agosto de 2018, inclusive com turmas de brilhantes companheiros Sargentos e Oficiais, que com certeza saberão conduzir os destinos da nossa Briosa Polícia Militar, no caminho do progresso e modernidade.

Gostaria de ressaltar o papel fundamental que a minha família exerceu nesta caminhada de vitórias. Meus pais, José Ferreira de Souza (Cel. R/R PMSE, in memoriam) e Ivanilde Figueiredo Souza (in memoriam), a quem agradeço pelos bons exemplos, compreensão e correções. Com todo amor, ternura e gratidão infinita, queria dizer-lhes: Muito obrigado por tudo! À minha querida esposa Neuma Teles Souza, agradeço pelo companheirismo, amor, e porque não dizer, pela paciência. Meus filhos Luiz Eduardo Figueiredo Souza Junior e Neuma Louise Teles Souza, que sempre me apoiaram e incentivaram na busca dos meus ideais, minha força para a luta diária e razão para continuar nela. Aos demais familiares e amigos, que direta ou indiretamente contribuíram para o meu sucesso, meus sinceros agradecimentos, vocês são todos especiais.

Ser Policial Militar é ser referência na sociedade e na família, aumentando assim a nossa responsabilidade. Ao ser promovido ao quadro de Oficiais, e se saúde tiver, ao posto de Major QOAPM, estou certo de que sentir-me-ei realizado profissionalmente, renascendo para uma nova fase da vida, pronto para enfrentar novos desafios e continuar trabalhando, fazendo valer a fala de Madre Tereza de Calcutá: “A maior distração, o trabalho”. Deixo o serviço ativo por circunstâncias regulamentares, mas continuo dentro da Polícia Militar, minha segunda casa, que jamais sairá de mim. Fui honrado nela e por ela, deu-me dignidade, e a qualquer tempo estarei perfilado, pronto para atender ao toque da corneta e às ordens dos Comandantes. Nosso lema sempre foi: “Dê-me a missão, não pergunte se sou capaz”. Na reserva será: “Não crie caso, crie cabras”.  

Que Deus, em sua infinita bondade e sabedoria, continue a nos abençoar, hoje e sempre, pois ao homem, toda a sua inteligência será sempre voltada para o bem. Em dias de angústia ou em noites traiçoeiras, busque aquele que sempre haverá de zelar pelos justos. Mas não se esqueça de agradecê-lo, como agora agradeço, pelas boas e felizes colheitas, pois a gratidão e o temor para com o nosso bondoso Deus nos conduzirá pelas mais pujantes veredas. Lembremo-nos: “o justo vive da fé”!

Durante grande parte da minha vida me entreguei à missão do amar e servir à minha organização. Contudo, um dos maiores desafios para qualquer profissional é compreender qual o melhor momento para partir. Eis que chega a minha hora… “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé”.

Enfim, mãe, pai, esposa, filhos, família, MISSÃO CUMPRIDA!

Despeço-me livre, sereno e feliz por ter realizado o sonho de pertencer à amada, honrada, Briosa e eterna Polícia Militar do Estado de Sergipe.

Avante Camaradas da Polícia Militar……..

Companheiros de sempre, recebam a minha mais respeitosa Continência. 

                                 

 Aracaju 16 de março de 2018

 

 

17 de março de 2018|CFAP|