A diminuição foi verificada pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública, Monitor da Violência, USP, UFS e pela ONG Mexicana Seguridad y Justicia

Os resultados dos levantamentos feitos pela Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACrim), da SSP, foram atestados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), na publicação denominada Anuário Brasileiro da Segurança Pública, e também pelo Monitor da Violência, pesquisa realizada em parceria com pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e o portal de notícias G1. Além dessa comprovação, a ONG mexicana Seguridad y Justicia retirou Aracaju da lista das 50 cidades mais violentas do mundo. A próxima publicação do Anuário deverá ocorrer no mês de outubro de 2021 e irá confirmar os dados que vêm sendo levantados, diariamente, pela SSP.

A nível local, a pesquisa intitulada “Estimação dos impactos sobre a criminalidade da pandemia Covid-19 em Sergipe – o que mudou em 2020 no Estado e na Capital”, coordenada pelo professor Marco Antônio Jorge, da Universidade Federal de Sergipe (UFS), responsável pelo Laboratório de Economia Aplicada e Desenvolvimento Regional (Leader), atestou que os números de homicídios dolosos, roubos e furtos apresentaram queda em comparativo entre os anos de 2019 e de 2020. Dos crimes pesquisados, a violência doméstica apresentou alta.

Conforme a pesquisa, os casos de homicídio caíram de 772 para 761 (-1,4%) enquanto o número de furtos passou de 16.264 para 12.919 (-20,6%). Já o número de roubos reduziu de 18.018 para 11.660 (-35,3%) no período. Os casos de violência doméstica, por sua vez, apresentaram um leve aumento em 2020, elevando-se de 1.225 para 1.254 (+2,4%). “É digno de nota que Sergipe foi o único estado da Região Nordeste a apresentar diminuição em sua violência letal neste ano de 2020”, enfatizou a publicação.

O secretário da segurança pública, João Eloy de Menezes, explicou que, nos meses iniciais da pandemia, a SSP verificou um aumento na incidência de homicídios em Sergipe, mas que foi contornada com a identificação da mancha criminal e definição de estratégias para a preservação de vidas em todo o estado. “O resultado não é um passe de mágica e tem como fator principal o planejamento e enfrentamento aos crimes mais graves. Mesmo diante da pandemia, foi mantido o trabalho de combate à criminalidade. No começo, houve um aumento nos casos de homicídio doloso, Assim, montamos estratégias que impactaram na redução dos crimes contra o patrimônio e contra a vida”, assegurou.

João Eloy de Menezes enfatizou também que as equipes policiais estão diariamente nas ruas trabalhando na garantia dos direitos do cidadão, que passa, além do enfrentamento aos crimes contra o patrimônio e contra a vida, na manutenção das medidas sanitárias de combate à Covid-19. “Nosso objetivo maior é a preservação de vidas, que está sendo atestado pelas instituições de pesquisas na área de segurança pública. Confiamos no trabalho de todos os nossos servidores que atuam nas ruas, nas investigações, nas perícias e no gerenciamento dos dados dessas ações”, concluiu.

 

Fonte: Ascom SSP

Última atualização em 20 de maio de 2021 às 02:24:48.