Na última sexta-feira, 2, o subcomandante da Polícia Militar do Estado de Sergipe, coronel Paulo Paiva, recebeu em seu gabinete, no Quartel do Comando Geral, em Aracaju, o professor de arte marcial Luciano Larré e o policial militar cabo Torres. A reunião teve como objetivo a análise de um projeto de defesa pessoal.

Na oportunidade foi apresentado o projeto de um curso de Defesa Pessoal para Atividade Policial baseado na arte marcial aikido.

O curso tem como objetivo ensinar técnicas de defesa pessoal aos policiais militares, buscando melhorias nas ações cotidianas por meio do controle emocional, a fim de preservar a integridade física dos policiais e da sociedade.

De acordo com o coronel Paiva, é de suma importância que a corporação busque todos os meios e mecanismos para fornecer aos seus integrantes o preparo necessário para cumprir sua missão.

“O aikido direcionado a atividade policial pode trazer benefícios aos nossos integrantes, de forma que vamos tentar colocar como uma das práticas, incentivar o militar, visando que ele desenvolva melhor sua atividade e que também possa se proteger, resguardando o ser humano que existe atrás do uniforme”, disse o coronel.

O idealizador do projeto, cabo Torres, integrante da corporação há 13 anos, atualmente lotado na Força Tática do 1º Batalhão de Polícia Militar (1º BPM), começou a praticar o aikido quando ingressou na corporação. O militar, que é faixa preta, afirma que a arte marcial vai além das técnicas de imobilização.

“É uma filosofia que ensina a ter controle mental e proporciona habilidades aos policiais para enfrentar situações de risco”, disse Torres.

Já o professor Luciano Larré, responsável pelo Centro Cultural Georges Stobbaerts, que difunde seus conhecimentos na arte marcial japonesa há mais de 25 anos, entende que ter alunos policiais trará imensos benefícios para a sociedade, qualificando ainda mais os que trabalham na linha de frente.

Segundo o tenente-coronel Stênio, incentivador do projeto, os cursos poderão agregar bons conhecimentos. “Eu tive a grata satisfação em descobrir o projeto do cabo Torres e decidi conhecer. Fiz o curso, gostei muito, e percebi sua importância para o aprimoramento das técnicas de defesa pessoal” finalizou o oficial.

Também estiveram presentes na reunião o comandante do Comando de Policiamento Militar da Capital (CPMC), coronel Neto;  o chefe do Estado Maior Geral do Comando de Policiamento Militar da Capital, tenente-coronel Stênio; e  o comandante do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP), tenente-coronel Linhares

Última atualização em 4 de agosto de 2019 às 05:05:52.