O Projeto Social de Judô da Polícia Militar do Estado de Sergipe e do Sesi encerrou as atividades do ano de 2017 com chave de ouro. No sábado, 16, foi realizado um exame no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap) e 100 alunos, entre três e 17 anos, mudaram de faixa, num evento que contou com a presença de familiares, convidados e parceiros da iniciativa social.

O ponto alto da festividade foi a entrega das faixas e dos certificados aos discentes. O evento, que contou com o apoio da PMSE, Sesi, Copanest, Mila Massa, OAB e Nascimento Materiais Militares, além de promover a entrega das faixas, também contou com uma festa de Natal para todas as 180 crianças atendidas pelo Projeto. Na ocasião, foram distribuídos vários brindes, kits escolares, lanches e cestas alimentícias.

Durante a comemoração natalina, os alunos e a comunidade do bairro América tiveram à disposição diversas atividades recreativas, como piscina de bolinhas, tombo legal, pula-pula, tobogã, dentre outros. “Ações como esta, tornam a coexistência entre sociedade e polícia mais próxima e, acima tudo, de mais confiante entre ambas as partes”, enfatizou o cabo Élvio, integrante do Batalhão de Choque, idealizador e coordenador do Projeto.

Além do exame de faixa, dezembro trouxe outras vitórias para o Projeto Social de Judô da Polícia Militar do Estado de Sergipe e do Sesi, já que o cabo Heleno, integrante da Cavalaria e participante da iniciativa social, foi aprovado no exame de faixa preta promovido pela Confederação Brasileira de Judô e Federação Internacional de Judô (FIJ), tornando-se o primeiro faixa preta do Projeto.

Condecorações

Para completar a boa colheita, o cabo Élvio e alguns alunos atendidos pela ação foram condecorados pela Federação Sergipana de Judô (FSJ), também neste mês, como os melhores em suas categorias no ano de 2017. Festejando os frutos obtidos, na quarta-feira, 20, os alunos realizaram o treino de despedida deste ano, no Cfap.

Projeto

Em atividade há seis anos, o Projeto atende 180 crianças e adolescentes moradores do bairro América. Aproximadamente 500 jovens já passaram pela iniciativa, desenvolvida no Centro de Lutas do Batalhão de Choque, anexo às instalações do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap). A ação foi reconhecida pelo Ministério da Justiça como uma iniciativa eficaz de prevenção à violência.

Última atualização em 23 de dezembro de 2017 às 11:24:13.