Capital sergipana registrou quatro casos em todo o mês, menor número já verificado desde início da série histórica

O mês de julho de 2021 confirma a tendência de queda dos homicídios dolosos em Sergipe em 2021. Depois de enfrentar oscilações em cidades como Nossa Senhora do Socorro, no ano passado, a tendência é de redução na capital, região metropolitana e interior do estado. No último mês, foram registrados quatro casos de homicídios dolosos em Aracaju, menor índice desde a contagem oficial na série histórica, há mais de uma década. No ano passado, as polícias atenderam 20 casos de homicídios dolosos na capital.

Os registros de casos de homicídios em Aracaju geraram inquéritos policiais no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa e atendimentos feitos pela Polícia Militar, com os quatro procedimentos de local de crime feitos nos bairros São José, Industrial, Porto Dantas e Japãozinho.

Quando comparamos, em todo o estado, o mês de julho de 2021 com o do ano passado, a queda é 47,8% na quantidade de homicídios registrados, mantendo a tendência de redução na incidência desse crime contra a vida em Sergipe. Segundo os dados da Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACrim), da SSP, enquanto que em julho do ano passado ocorreram 69 homicídios, esse número foi de 36 ocorrências durante todo o mês de julho deste ano. A redução na incidência de homicídios em Sergipe é fruto do trabalho integrado entre as polícias Civil e Militar, junto à Coordenadoria Geral de Perícias (Cogerp).

De acordo com o levantamento feito pela CEACrim, apenas na capital, a redução foi de 80% na incidência de homicídios em comparativo entre os meses de julho de 2020 e de 2021. Enquanto que no sétimo mês do ano passado foram registrados 20 casos, em julho de 2021 foram contabilizadas quatro ocorrências. Já nas demais cidades que formam a Região Metropolitana – Nossa Senhora do Socorro, São Cristóvão e Barra dos Coqueiros – a retração foi de 66,7%. Em julho de 2020 aconteceram 15 homicídios e, no mesmo período de 2021, ocorreram cinco casos.

No interior do estado, os dados da CEACrim apontam que, ainda no comparativo entre os meses de julho de 2020 e de 2021, houve uma diminuição de 15,6% na incidência de homicídios. Segundo o levantamento, enquanto que em julho do ano passado foram contabilizados 32 homicídios no interior sergipano, no mês de julho deste ano ocorreram 27 casos desse crime contra a vida. Considerando as reduções identificadas pela CEACrim nas três áreas, foram preservadas, ao menos, 33 vidas em todo o estado.

Janeiro a julho

O levantamento feito pela CEACrim também avaliou a redução na incidência dos homicídios no período que compreende os meses de janeiro a julho. Em Sergipe, no comparativo entre os sete meses iniciais de 2020 e os de 2021 houve uma redução de 29,5% na incidência desse tipo de crime. Já quando considerado o ano de 2016 – período em que houve aumento na incidência da violência no estado – a queda foi de 53,5%.

Na capital, levando em consideração o período entre os meses de janeiro e julho de 2020 e de 2021, foi registrada uma diminuição de 28,9% nos homicídios. Entre o mesmo período de 2021 e o de 2016, a retração foi de 58,8%. Nos demais municípios da Região Metropolitana – Nossa Senhora do Socorro, São Cristóvão e Barra dos Coqueiros -, entre janeiro e julho de 2020 e 2021 a queda foi de 34,2%. Entre 2021 e 2016 a diminuição foi de 50,3%.

 

Já no interior do estado, ainda conforme os dados da CEACrim, no período entre os meses de janeiro a julho de 2021 e de 2020 a queda foi de 26,9% na incidência de homicídios. Com comparativo sendo feito entre os sete meses iniciais de 2021 e o mesmo período de 2016 – ano em que houve aumento nos índices de violência – a diminuição da quantidade de homicídios que ocorreram na região foi de 52,1%.

Trabalho integrado

O comandante da Polícia Militar, coronel Marcony Cabral, atribuiu a queda nos homicídios ao trabalho integrado entre as forças de segurança pública de Sergipe. “É importante frisarmos dois aspectos. Primeiro, a gestão implementada pelo secretário João Eloy, que integra as forças de segurança, todos alinhados no objetivo de combater a criminalidade. O segundo aspecto é a continuidade que o Governo do Estado permitiu a essa gestão. Isso é fundamental pois o trabalho contínuo tem surtido efeitos, semestre a semestre. O investimento em inteligência policial e melhores condições de trabalho também faz com que tenhamos números extremamente satisfatórios”, enfatizou.

O coronel Marcony Cabral também destacou a atuação dos servidores das instituições vinculadas à SSP na missão de preservação de vidas em todo o estado. “Graças ao trabalho integrado desses homens e mulheres abnegados da segurança pública nós temos um cenário favorável que demonstra que estamos no caminho certo e que a segurança pública em Sergipe continuará dando orgulho aos sergipanos. O trabalho integrado é fundamental. Neste trabalho, está a troca rápida de informações e as ações conjuntas. A criminalidade muda, migra e precisamos acompanhar essa mudança e muitas vezes precisamos nos antecipar”, reiterou.

 

A coordenadora das delegacias da capital, delegada Rosana Freitas, ressaltou a integração entre as forças de segurança pública como fator fundamental para a queda nos números de homicídios em Sergipe. “Esses números são resultado de um trabalho conjunto entre as forças de segurança, temos um envolvimento maciço não só da Polícia Civil, mas também da Polícia Militar, da Perícia e do Corpo de Bombeiros. Essa é uma pauta sempre exigida pelo secretário para que haja esse envolvimento, pois segurança pública não se faz só. Os números refletem esse trabalho conjunto e os esforços e investimentos que têm sido feitos nas áreas humana e em recursos materiais”, afirmou.

Rosana Freitas salientou que a integração entre a segurança pública também se estende às unidades policiais, que atuam em conjunto nas investigações e operações visando o combate a criminalidade e a consequente preservação de vidas em todo o estado. “Também temos focado em um trabalho de integração entre capital e interior. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) juntamente com as unidades especializadas de homicídios nas delegacias de interior, assim como as de combate ao tráfico de drogas, tem atuado em conjunto. O combate ao tráfico de drogas tem sido intenso e vem refletindo na diminuição, anualmente e subsequente, desses números”, concluiu.

O coordenador geral de perícias, Nestor Barros, detalhou que a Cogerp atua junto às ações das polícias para fornecer provas materiais e atestar a autoria do crime, contribuindo com a elucidação dos homicídios. “A Cogerp combate o crime com boas perícias e laudos substanciais que subsidiam as investigações. Nossa participação no combate à criminalidade, na redução de homicídios, em conjunto com as polícias Civil e Militar, é a de oferecer boas perícias e laudos substanciais que identifiquem os autores dos crimes. A perícia tem mostrado bons trabalhos que resultaram nas prisões dos criminosos. Nós utilizamos os vestígios para realizar os mais diversos exames para chegar a autoria do crime”, ratificou.

FONTE ASCOM SSP 

Última atualização em 14 de agosto de 2021 às 01:09:46.